26.7.08

Karinna Gulias

Comentário: Karinna cria no poema "Sistemas (Maria da Graça, terra dos nomes perdidos)" um poema mitico sobre a transformação do ser feminino em outro - o filho-, tal transformação simbólica é um ato de morte e renascimento, a personagem Poca Sombra não tendo um nome que lhe dê significado existêncial, e observemos que a Sombra é ausente de essência, converte-se no filho como meio de salvar-se a si mesma, e na conversão a busca, mas não a conquista de um sentido. No segundo poema escolhido, Karinna compõem um poema genealógico, nos mostra o crescimento da familia, assim foi minha impressão, a partir da metáfora da árvore.









Parte II – Sistemas (Maria da Graça, terra dos nomes perdidos)

[Sistema de aço]





Partitura de aço, não ossos.

Para cada vida, um aparelho de imortalidade:
o ofício.

***

Eu comeria deus todo dia,
no olho das plantas; as plantas.

Poca Sombra não conhece a folha verde:
esquece que um dragão se cria na pilha de folhas secas:
avermelhando.

Ela sempre esquece novos pensamentos.

***
Poca Sombra não mais se sacrifica.

Poca Sombra chora
e a noite limpa seus olhos com desejos;
agora volta a ter destino. Já fadada a viver sem nome,
na terra dos sem nome.

— Abandona Poca Sombra e cristaliza-se mãe.

***

Ninguém era de saber dela, nem antes, nem agora.
Todo seu movimento de eregir-se ficou para deus,
que passou a dever-lhe um nome.

Sem ter seu nome de volta,
comeu os dentes de leite de seu filho,
e virou Filho.
******************






A inumação da cama



Um velho empalhado em colchas de sal

sob o sol engradado.

Na casa há crianças (velhas)

– É carne seca do jantar?



Um anil de fundo de corpo

de extremos pesados e inúteis.

Não, não está nada azul. Perguntou?


Do vão da boca saem

árvores que sobem o horizonte.

Árvores que constróem tronco

de uma Árvore maior;

pedaços de espírito que se descolam aos poucos.

Como quem cachimba a vida

e se inuma...



Uma boca de palhaço está de cama

é vermelha sopa-de-beterraba.




***********************



Karinna Alves Gulias escreve no blog beggarsbodyart.blogspot.com

Nenhum comentário: